"QUELUZ DE MINAS" FOI O NOME POPULAR DA VILA REAL DE QUELUZ


INTRODUÇÃO


Nesta antiga cidade mineira, nasceu em 1916, FÚLVIO DE ALMEIDA GUIMARÃES  (1916 *  2014+)
Quando ele completou os seus doze anos de idade, ganhou um livro de presente de seu padrinho, o advogado
Fábio Maldonado, que o marcaria para sempre: "História de Minas Geraes - Resumo Didactico"-Uma linda obra de Lúcio José dos Santos, da Editora Melhoramentos, São Paulo.

Nasce, então, um jovem encantado por nossa história e pelo trabalho dos nossos historiadores.


Fúlvio foi um homem disciplinado, que amava profundamente o país, a sua família e a terra natal.
Depois de aposentado, já mais velho, passou a dedicar-se ao que mais gostava: o estudo da história.
De suas pesquisas pessoais, nasceram duas publicações:


LASCAS E GRAVETOS DA HISTÓRIA DOS LATINOS
Editora Itatiaia 2004  - aos 88 anos de idade


ROMEU GUIMARÃES DE ALBUQUERQUE E QUELUZ DE MINAS
Edição do Autor 2010 - aos 94 anos de idade


Em seu primeiro livro, ele "recorta" ("lascas e gravetos") os fatos que influenciaram a construção da nossa identidade latina; no segundo, escreve as suas memórias de infância na cidade de Queluz de Minas, cita personalidades da região, fatos correlatos e apresenta parte da genealogia das famílias.


Escreve:


"O que me levou a escrever essas "antiguidades" advém da necessidade de expressar-me em silêncio o resultante daquilo que sempre gostei de fazer, a leitura.

Dizia o meu antigo professor: "quem escreve, lê duas vezes".

Não apenas duas, sabe o leitor.

Afinal, lemos para aprender algo ou transmitir o que assimilou a alguém que o consentir."


                                                   ........................................................................................................................



PEQUENO HISTÓRICO SOBRE QUELUZ DE MINAS


É importante frisar que existiu durante o histórico da República Velha a Cidade de Queluz (Vila Real de Queluz) e a Comarca de Queluz, sendo que, as duas, são entidades distintas.


"Em 1714, foram criadas as primeiras Comarcas de Minas Gerais: Comarca de Vila Rica (Ouro Preto), Comarca do Rio das Velhas (Sabará), Comarca do Rio das Mortes (São João del Rei).

A Província de Minas, em 1872, contava mais de dois milhões de habitantes, tinha oitenta e três municípios e era dividida judiciariamente em quarenta e sete comarcas. Só que Minas continuava sem a sua Corte de Segunda Instância, estando todas as suas comarcas sob jurisdição do Tribunal da Relação do Rio de Janeiro.

(...) No dia 6 de agosto de 1873, com a publicação do Decreto Imperial nº 2.342 de Dom pedro II era criada a Relação de Minas, com sede em Ouro Preto."

Fonte - Texto de autoria do Prof. Ricardo Arnaldo Malheiros Fiuza transcrito do site do TJMG


A Cidade de Queluz -   Nossa Senhora da Conceição do Campo Alegre dos Carijós.


Fonte: Arquivo Público Mineiro


Passou a Vila Real de Queluz em 19 de setembro de 1790 e pertencia à Comarca do Rio das Mortes (São João Del Rei)



A Comarca de Queluz foi criada pela Lei nº 1.867, de 15 de julho de 1872, composta pelos Termos de Queluz e Bonfim.


O mapa acima ilustra o que deveria ser a Comarca de Queluz, em meados de 1870, baseado nos documentos da época,

uma vez que não encontrei nenhum documento com um mapa oficial

É um mapa "fictício" meramente ilustrativo sendo proibida a sua reprodução!



Ela mudou de nome pelo Decreto Lei nº 11.274 de 27 de março de 1934 (República Nova) para Comarca de Conselheiro Lafaiete.




Este é o mapa atual das Comarcas de Conselheiro Lafaiete

Fonte:http://ftp.tjmg.jus.br/comarcas/mapa-comarcas.pdf



Pela Lei nº 11.274, em 27 de março de 1934 a cidade de Queluz teve o seu nome mudado para Cidade de Conselheiro Lafaiete (República Nova).


Na lista abaixo estão os nomes das cidades atuais (entre parênteses)  para demonstrar a importância administrativa e comercial da antiga Comarca de Queluz (República Velha).



COMARCA DE QUELUZ

Fonte: "Almanak. Administrativo, Civil e Industrial da Província de Minas Geraes do anno de 1874 para servir no anno de 1875.Organisado e redigido por Antônio de Assis Martins. Ouro Preto. Typographia de J.F. de Paula Castro. 1874."

Arquivo Público Mineiro



Município de Cidade de Queluz - Sede da Comarca


1-Freguezia e Districto de N. S. da Conceição de Queluz (Atual Conselheiro Lafaiete)

2-Districto de Santa'Anna do Morro do Chapéu (Atual Santana dos Montes)

3-Freguezia e Districto da Capella Nova das Dores (Atual Capela Nova)

4-Districto de N. S. da Glória (Atual Caranaíba)

5-Freguezia e Districto de Santo Amaro (Atual Queluzito)

6-Districto de S. Caetano do Paraopeba (Atual Casa Grande)

7-Freguezia e Districto de Santo Antônio da Itaverava (Atual Itaverava)

8-Districto do Carrapicho (Atual Joselândia)

9-Freguezia e Districto de Cattas Altas de Noruega (Atual Catas Altas da Noruega)

10-Freguezia e Districto de N.S. das Grotas do Brumado, de Suassuhy (Atual Entre Rios de Minas)

11-Freguezia e Districto de S. Braz de Suassuhy (Atual São Braz de Suaçuí)

12-Districto de Redondo (Atual Congonhas)

13-Freguezia e Districto do Lamim (Atual Lamim)

14-Município da Cidade do Bomfim (Atual Bomfim)

15-Districto do Rio Manso (Atual Rio Manso)

16-Freguezia e Districto de S. Sebastião do Itatiaiossui (Atual Itatiaiauçu)

17-Districto de N.S. das Dores da Conquista (Atual Capela Nova)

18-Districto do Brumado (Atual Brumadinho)

19-Freguezia e Districto de N. S. da Piedade dos Geraes (Atual Piedade dos Gerais)

20-Districto da Capella Nova do Desterro (Atual Entre Rios de Minas)

21-Freguezia e Districto de N.S. das Necessidades do Rio do Peixe (Atual Piracema)

22-Districto de N. S. da Conceição do Pará (Atual ?)

23-Freguezia e Districto de S. Gonçalo da Ponte (Atual Belo Vale)

24-Districto de Sant'Anna do Paraopeba (Atual Belo Vale)

25-Districto de N. S. da Boa Morte (Atual Moeda)

26-Freguezia e Districto de Santo Antônio do Morro de Matheos Leme (Atual Mateus Leme)

27-Districto de Bicas (pertenceu ao Município de Mar de Espanha)

                                                   ...............................................................................................................


COMENTÁRIO DA EDITORA


O trabalho dos genealogistas, escritores, arquivistas e memorialistas da região, forma, hoje, importante patrimônio imaterial.

Espero que os jovens engajados em estudar a História de Minas Gerais, possam debruçar-se honestamente em nosso passado, tão paradoxal e controverso e encontrar a sua riqueza.

Foi uma região marcada por  lutas sangrentas, muitas vezes desonestas, que não demonstravam uma preocupação verdadeiramente democrática, envolvidas que estavam, sempre, com manipulações de poder, a maioria, com finalidades eleitoreiras, repletas de interesses pessoais.

Perfis de homens fortes - políticos e comerciantes - que construíram estas Minas Gerais,  através de um trabalho árduo, repleto de dedicação e religiosidade, envolvidos que estavam, por tantas pressões e singularidades.

Precisamos conhecê-los!


*SITE PROTEGIDO POR DIREITOS AUTORAIS / TRANSCRIÇÕES E CÓPIAS APENAS COM A CITAÇÃO DA FONTE E/OU AUTORIZAÇÃO DO AUTOR