OBS - Este site está sendo editado em 09 de julho de 2018 - Site em construção

PELOURINHO

1790 Auto do Levantamento do Pelourinho na Real Villa de Queluz, Comarca de Rio das Mortes desta Capitania de Minas Gerais


“Anno do Nascimento de Nosso Senhor Jesus Christo de mil settecentos e noventa, aos dezenove dias do mez de setembro nesta Real Villa de Queluz, Comarca do Rio das Mortes sendo presente o Illustríssimo, e Excelentíssimo Senhor Visconde de Barbacena do Concelho de Sua Magestade, Governador o Capitão General desta Capitania de Minas-Gerais, e o Doutor General, e Corregedor desta Comarca, com os moradores, nobreza e Povo tanto da dita Real Villa novamente erecta como dos Arrayaes convezinhos; pello mesmo Illustríssimo, e Excelentíssimo Senhor Visconde General foy mandado levantar o Pilorinho da referida Villa, o qual com efeito se levantou, coma solenidade do estilo, no lugar que para isso se considerou mais proprio e acomodado, e vem a ser na Praça nova, que ffica no meyo da Villa, entre as Cazas destinadas para a Camara, e a Igreja Matriz, cujo acto se fez, e concluhio repetindo todos em altas vozes, e sucessivas aclamaçoens – Viva a Rainha Nossa Senhora Dona Maria primeira – depoiz da que ordenou o dito Illustríssimo, e Excelentíssimo Senhor ao Doutor Desembargador Ouvidor Geral, e Corregedor da Comarca procedesse logo na forma da ley e factura das Justiças, que servissem naquella Real Villa desde o dia da posse de seus nobres Cargos, athé o último de Dezembro do anno proximo foturo de mil settecentos noventa e hum; do que tudo para assim constar, mandou fazer este Auto em que asignou com os referidos prezentes se achavão e Eu Joze Onorio de Valladares e Aboim Secretario do Governo que o ffiz escrever, e sobscrevi.
_ Visconde de Barbacena – Luiz Antonio Branco Bernardes de Carvalho – Joze Rodrigues da Costa – Fortunato Gomes Carneiro – Antonio Gonçalves Ferreira – Felisberto Joze Machado – Joze Maria Fajardo de Aciz – Manoel Vaz de Lima – Manoel Antonio Gomez – Antonio Agostinho Lobo Leite Pereira – Joze de Vasconcellos Parada, e Souza – Antonio Vicente Machado – Joze Dutra Gonçalves – Theodoro Joze Joaquim Pereira – Severino Joze Vaz – Felisberto da Costa Pereira – João de Mattos Costa - João Dias da Matta – Benedicto Dornellas da Costa – Francisco de Souza Leão – Bernardo Joze de Varga – Joze da Silveira Vaz – João Francisco Vieira – Joze Joaquim de Carvalhaes – Manoel Bernardes de Christo – Pascoal Pereira Guimaraens – Joze Pedroso dos Reys – Jeronymo Ribeiro de Castro – Pedro Fernandes Ribas – João de Medeiros Teixeira – Conçallo Alves Anuda – Francisco da Silva – Manoel de Souza Lima – Joze Sebastião de Mello – Joze Antonio de Azevedo – Francisco Ferreria Marcial – Antonio Pereira da Cunha – João Martins Pedra – Manoel Alz da Neiva – Joze de Vargas – Joze Pinto Cardozo – João Baptista de Sá – Antonio Joze Basto Pinto – Manoel Rodrigues Pires – Francisco Rodrigues Xavier – Narcizo Martins Machado – Joze da Costa dos Santos – Carlos Roiz de Oliveira – Felipe de Abres Pacheco – Antonio da Silva Pinto – Joze de Mattos Lima – Francisco de Araujo Toledo – Manoel Pereira do Valle – Antonio Roiz Braga – manoel Lopes dos Santos – Serafim Alves Frias.
Está Confre - , Joze Onorio de Valladares e Aboim.”
 

AUTO DA CRIAÇÃO

1790 Auto da Criação da Real Villa de Queluz na Comarca do Rio das Mortes, nesta Capitania das Minas Gerais


“Remetto a Vmces. as Copias authenticas dos Autos originaes da creação dessa Vila, que fficão na Secretaria do Governo, conferidas e assignadas pelo Secretario delle José Onorio de Valladares e Aboim, para se registrarem nos Livros da Camara, e servirem de Título ou Documento para a conffirmação que Vmces. pretendem requerer a Sua Magestade
Deos Guarde a Vmces. Villa Rica 18 de Novembro de 1790
Visconde de Barbacena
Sr. Juiz e offes. Da Camara da Real Villa de Queluz.”
“Anno do Nascimento de Nosso Senhor Jesus Christo de mil settecentos e noventa, aos dezenove dias do mez de Setembro neste Arrayal de Carijoz Termo da Villa de São Jozé, Comarca do Rio das Mortes, e cazas onde se acha aposentado o Illustrissimo, e Excellentissimo Senhor Visconde de Barbacena do Concelho de sua Magestade, Governador e Capitão General desta Capitania de Minas Geraes, sendo prezentes o Doutor Dezembargador Luiz Antonio Branco Bernardes Ouvidor Geral, e Corregedor desta mesma Comarca, e os principais moradores das Frequezias de Nossa Senhora da Conceição de Carijoz, da de Congonhas do Campo, e Santo Antonio da Itaberaba que ahy havião concorrido; pello referido Ilustrissimo, e Excellentissimo Senhor Visconde General foy dito, que havendo lhe representado os indicados moradores a considerável distância de mais de quinze, vinte e trinta Legoas, que hião das suas respectivas habitaçoens as Villas de São José, São João de El-REY, Villa Rica, e Marianna, a cujas Justiças herão sujeitos, sofrendo por este motivo notaveis incomodos, e prejuizos, nas suas dependencias judiciais; e athé mesmo na arrecadação, e administração dos bens, e pessoas dos Órfaõns, a que não podia ocorrer-se muitas vezes com a brevidade conveniente por cauza da referida Longitude, que do mesmo modo dificultava o pronto conhecimento, e castigo de muitos, e graves delitos perpetrados naquellas distantes povoaçõens, com grande detrimento da tranquillidade, e segurança publica, em cujos termos lhe suplicavão a creação de huma Nova Villa, com Corpo de Camara, e Justiças competentes no Campo Alegre dos Carijoz, por ser o mais central das referidas freguezias; alem de se achar cituado na Estrada Real que vem da cidade do Rio de Janeiro para estas Minas Gerais e Capitania do Goyâz; alegando para este mesmo efeito outros igoalmente ponderozos motivos e exemplos, como tudo largamente consta do seu requerimento pellos dittos assignado, que vay por copia no fim deste; e tendo o mesmo Illustrissimo, e Excellentissimo Senhor condecendido com a mencionada suplica, sobre que se tomarão e precederão todas as necessárias informaçõens, de que resultou verificar-se a conveniencia e necessidade, que instava pella Criação da sobre ditta Villa para milhor admenistração da Justiça. Comodidade daquelles moradores, e mais pronto serviço de sua Magestade, nos casos ocorrentes, havia deliberado criar, como com efeito Criava em Villa o mencionado Arrayal dos Carijoz, o qual de hoje em diante se denominará - “Real Villa de Queluz” - fficando assim desmembrada do Termo da de São Joze, a que athe agora pertencia o dito Arrayal; e extendendo-se o da mesma Real Villa novamente erecta, athe conffinar com a Comarca de Villa Rica, visto que interinamente se lhe não asigna, e demarca outro mais amplo Termo, como os Supplicantes requerem, sem perceder a Real Aprovação de sua Magestade, de cujo arbitrio ffica também pendendo o Foral, que a mesma SENHORA foi servide determinar-lhe. E havendo assim o dito Excellentissimo Senhor por Criada, e erecta a referida Vila Real de Queluz, com a Posse de todos os Direitos, Privilegios, e mais prerrogativas que pellas Leys do Reino lhe competirem, assim o aseitarão os indicados moradores; Nobreza, e Povo della, e seu termo; protestando, e jurando inalteravel, e ffirmissima obediencia, e sugeição as mesmas Leys, como fieis Vassalos da muita Alta, e poderoza RAINHA dona Maria, primeira Nossa Senhora, e seus Augustos Sucessores, de que tudo para constar mandou lavrar este Auto de Criação, que asignou com os referidos que presentes se achavão, e eu José Onorio de Valladares, e Aboim Secretario do Governo o ffiz escrever, e Sobscreví - Visconde de Barbacena- Luiz Antonio Branco Bernardes de Carvalho - Joze Rodrigues da Costa - Antonio Joze da Cunha - Antonio Glz Ferreira - João Dias da Motta - Manoel Alz da Neiva - Antonio Joze Bastos Pinto - Benedicto Dornellas da Costa - João Baptista de Sá - Gonçallo Alz Anude - Joze Ferreira Bellas - Pedro Fernandes Ribas - Antonio Pereira da Cunha - Joze Dutra Gonçalves - Manoel Fernandes Ribas - Joze Sebastião de Mello - Manoel Vaz de Lima - Manoel de Souza Leria - João Miz Pedra - Joze Maria Farjado de Aciz - João Franciso Vieira - Antonio Joaquim Pereira Ferraz - Joze Bernardo Alz da Neiva - Francisco de Faria Brum - Manoel Pereira Brandão - Bento de Souza Costa – Luiz da Silva Pinto - o Padre Joze Felizberto Machado - o Padre Manoel Antonio Gomes - o Vigario Fortunato Gomes Carneiro - Manoel Antonio da Silva Campolina - Joze Antonio de Faria - Antonio Vicente Machado - Felizberto da Costa Pereira - Manoel Bernardo de Christo - Theodoro José Joaquim Pereira – Antonio Agostinho Lobo Leite Pereira - Joze de Vazconcellos Parada e Souza - Jerônymo Ribeiro de Castro - Francisco de Souza Leão – Joze da Silveira Vaz - Severino Joze Vaz - Joze Pedrozo dos Reys - Francisco Ferreira Maciel - João de Mattos Costa - Joze Joaquim Carvalhaes - Joze de Vargas – Bernardo José de Vargas - Antonio Francisco da Silva - Ancelmo Francisco Vieira, Joze Antonio de Azevedo - Joze Pinto Cardozo - João Antonio Henrique - Bento Joze Machado - Manoel Rodrigues Pires - Antonio Roiz Xavier - Felipe de Abreu Pacheco - Carlos Rodriguez de O. Pereira - Antonio da Silva Pinto - Joze da Costa dos Santos - Francisco Rodrigues Xavier – Joze Vieira Gularte - Joze de Mattos Lima - Manuel Lopez dos Santos - Francisco de Araújo Toledo - Feliciano Fernandes da Costa - Felix Pereira Mendes - Antonio Rodrigues Braga, Serafim Alz Frias - Manoel Cardozo Lima - Antonio Glz Chapatenciana.”
“ Illustrissimo e Excellentissimo Senhor Visconde de Barbacena. A Vossa Excia. expoem reventemente os Moradores das Freguezias de Nossa Senhora da Conceição de Carijós e de Congonhas de Campo, e de Santo Antonio de Itaberaba quê formando todos huma Povoação conjunta de quazi vinte mil pessoas, com suficientes fundos, propriedades e terras incultas e distando das Villas de São Joze, São João, Villa Rica e Mariana / por onde são demandados / mais de quinze, Vinte e trinta legoas por asperas Serras, Caminhos Solitários e passagens de Rios, sem que a Justiça possa amparar prontamente os Orfaons, e Viúvas pobres, nem defender a tranquilidade publica de alguns facinorosos e Saltiadores; Desejão os Supplicantes merecer a Sua Magestade Fidellissima o Foral e Criação da nova Villa com Corpo de Camara, Juiz Ordinario, e de Orfaons, Vereadores, Tabelliaens, e mais Offeciais competentes no Campo Alegre de Carijôz; por fficar no Centro dos Arrayaes sobreditos, e Estrada Real do Rio de Janeiro para as Minas e, Capitania de Goyâz, como por ser Primâz das Freguezias do Bispado, e primeiro descuberto do oiro, que denominando-se pello Farol natural, e próximos Montes de Itaberaba, com a devizão desta ulterior Freguezia, se veyo a equivocar com o lapço do tempo.
Os Supplicantes se valem do saudavel exemplo praticado por Vossa Excia. a benefício de Outras Povoaçoens para avivar a necessidade, opreção e vexame que experimentão quotidianamente as suas Cazas e famílias nas exorbitantes Custaz e ocazioens repetidas, em que são chamadas pella Justiça as Villas indicadas para os diferentes conhecimentos, execuçõens, e outros atos da sua competencia, quanto ha penozo aos Ancioens, e bons do Povo concorrer, e servir em Auditorios distantes, e qual pode ser a segurança e Repozo publico dependente de Correiçoens, e Comarcas Longinquas: Sendo Sua Magestade tão propicia a este Respeito para com os seus Vassalos de Portugal, e Conquistas, se esperanção os Supplicantes pellos efficazes Officios de Vossa Excia. não só merecer a dita Creação, e Foral com meya Legoa em quadra, Livre a beneficio do Sennado, e preciza demarcação das Freguezias expreçadas; maz ainda que as porçoens relativas, sugeitas e encorporadas com a freguezia do Oiro-Branco na Comarca de Villa Rica, e Termo de Mariana, se unão a nova Villa; regulando-se este pella Estrada desde o rio Carandahy, thé o alto da Serra vulgarmente chamada - Deos The Livre - com o comoddo natural, e percizo de ser corrigida pella mesma Comarca de Villa Rica: Nem a Remota Correição de São João de EL-Rey /em que medeão o Porto e Rio das Mortes/ experimentarão perjuizo comtenplavel attentos os novos intereces das Villas de São Joze, Tamanduâ, Campanha, Borda do Campo, e Julgado de Ayuruoca, Itajubá, Jacuhy, Cabo Verde e Camanducaya que excedem incomparavelmente. Nesta inteligencia notoria aos superiores conhecimentos de V. Excia. se oferecem os Suplicantes a contribuir para a nova fundação com os mesmos direitos, proes e precalços que pagão as Villas antigas /em que vivem desmembrados, sujeitos, coprimidos / a cujo ffim se assinão e farão os mais termos necessarios, na Secretaria do Governo e Tombo da nova Camara que pertendem – E receberão Graça e Mercê – Joze Roiz da Costa - Vigario Fortunato Gomes Carneiro, Martinho Rodrigues Costa, Bento de Souza Costa, João da Matta Fernandes, Antonio Rodrigues da Costa, Jozé Rodrigues da Roza, Jozé Maria Fajardo de Aciz, Antonio Joaquim Pereira Ferraz, João Francisco Vieira, João de Medeiros Teixeira, Manoel Pereira Brandão, Nicolau Dias Cardozo, Jozé Dias Campos, Manoel Jozé Braga, Manoel Pereira da Silva, Jozé Antonio de Aredo, Manoel Cardozo Lima, José Antonio de Araújo, Domingos Gonçalves Machado, Luiz Ribeiro de Carvalhais, João Ferreira da Silva, Jose Tavares de Mello, Manoel Pereira de Azevedo, João de Oliveira Santiago, José de Vargas, Luiz de Almeida, Bartolomeu Gonçalves, José Cardoso Lima, Antonio Gonçalves Correa, José Dutra Gonçalves, Gonçallo Alves Arruda, Narcizo Martins Machado, José Martins de Azevedo, José Lucas da Costa, João Baptista de Sá, Theodozio Gomes Ferreira, Manoel José Gomes, Antonio José de Mattos Lima, José Marinho Azevedo, João Ribeiro de Tabordas, Manoel Duarte Coelho, O Padre José de Andrade, e Almeida, Felipe Gonçalves Gularte, Pedro Fernandes Ribeiro, Joaquim Dias Eyra, Manoel Davila, Apolinário Mendes Rodrigues, Antonio Gonçalves da Silva, Francisco Marinho de Azevedo, Luiz Bernardo do Amaral, José Antonio de Souza, José Gonçalves Luiz, João Pereira Mamão, Francisco Ferreira Maciel, José Francisco Santiago, José de Souza Teixeira, Francisco Caetano Dantas Magalhães, Luiz Antonio da Silva Velho, Antonio Pereira da Cunha, Euzébio José Rodrigues Neves, José Joaquim Rodrigues, João Ferreira Pacheco, José dos Santos Correa, Manoel da Cunha Coutinho, O Padre Antonio José de Lima e Costa, Lauriano José Fernandes da Cunha, O Padre Onorio Fidelis de Oliveira, Manoel Jozé Braga, Domingos Pereira Pontes, Francisco de Paula Gonçalves, Manoel Pereira Pontes, Antonio Dias da Cunha, o Doutor Antonio de Queiroz Monteiro, Manoel da Costa Leite, Jozé Maria de Oliveira, João Moreira Neves, Antonio Pereira Ribeiro, Manoel Jozé de Oliveira, Jozé Antonio da Silva, Jozé de Souza Lima, Manoel Jozé da Costa Melgaço, Antonio Jozé de Souza, Jozé Vaz de Souza, Francisco Novaes de Barros, Antonio da Cunha Senra, Bento Manoel Mez, Manoel Ferreira Campos, João Antonio, Francisco Gonçalves dos Anjoz, Manoel Alves da Neiva, João Martins Pedra, Francisco Vieira da Silveira, Francisco Alz. da Neiva, Manoel Ferreira Barboza, Ignacio Alves Pereira, O Padre Thomé Fernandes Quintão, Antonio Gonçalves da Costa, Francisco de Souza Teixeira, Antonio Jozé Bastos Pinto, Antonio do Abreu Pacheco, Ângelo de Oliveira Moura, Jozé Antonio de Faria, Jozé da Cunha, Domingos Pereira Cabral, Jozé Fernandes Leão, Jozé Pereira dos Santos, Padre João Antonio da Silva Leão, Manoel da Costa Chaves, Valentim da Motta Reimão, Jozé Lopes Teixeira, João Antonio Lima, Domingos Marques Ferreira, João Caetano de Souza, Jozé Antonio da Silva, Manoel Ferreira Branco, Francisco João Ribeiro, Jozé de Souza Pereira, Padre Joaquim Lopes Coelho, Padre Antonio Fernandes Lima, Luiz Francisco da Silva, João Rondon Ordonhe Prodonhe, Joaquim de Souza Pinto, João Francisco de Carvalho, Antonio Fernades Lima, Jozé Fernandes Maya, Manoel Pires Brabo, Manoel Antonio da Silva Campolina, Padre Joaquim Ferreira de Freitas, Francisco João Miz, Antonio Ferreira Maya, Theodozio Pereira Brandão, Antonio Dutra da Silva, Vicente Xavier Vieira, João Fernandes de Oliveira, Caetano Jozé de Oliveira, Antonio Nogueira da Cruz, Manoel Ferreira de Souza, Januario Vieira Cardozo, Antonio Caetano de Souza, João dos Santos Silva, Manoel Pinto de Souza, Francisco Pinto de Souza, Serafim José de Amaral, Manoel Caetano de Oliveira, Joaquim João de Oliveira, Antonio de Souza Aguiar, Antonio de Faria Gularte, Manoel Pereira da Silva, José Francisco, Felix Ferreira Barbosa, João Gonçalves da Costa, Francisco Dias Santos, Manoel Ignacio Dias Cardozo, Manoel Antonio Dias, Jozé Caetano Pereira, Pedro Correa Velho de Bitancor, Manoel Machado Porto, Jozé Pires Ferreira, João Dias Soares, Matheos Rodrigues da Costa, Capitão do Rio do Peixe de Congonhas, Antonio Jozé Ferreira, Capitão Commandante da Piedade, Antonio Jozé de Oliveira, Tenente Auxiliar da Capella do Rio do Peixe, Jozé Antonio de Araújo, João Pires da Costa Alferes, Antonio Martins da Costa, Bartholomeu José Cota, Martinho Rodrigues da Costa, Luiz José de Oliveira, Jacinto Jozé Fidellis da Silveira, João da Costa Guimaraens, Francisco Xavier Borges, Vicente Jozé Ferreira da Costa, Manoel Gonçalves Pereira, João Vaz Pereira, Joaquim Rodrigues de Souza, Joaquim da Costa Guimarães, André Luiz Machado, Joaquim de Moura Lisboa da Silva Pinto, Alexandre Jozé de Souza, Capitão Manoel Braz da Cruz, Luiz Jozé da Motta, Silvério Jozé da Silva, Jozé Antonio da Silva, Antonio Villela Fragão, Tenente Coronel Jozé Patrício Monteiro, Alferes Comandante Francisco da Cunha Mattos, Lucas Rodrigues da Costa, Bento Diniz Ramos, Manoel Gonçalves, Antonio Tellis da Silva, Manoel de Souza Machado, Padre Antonio Mendes de Souza, Manoel Francisco da Silva, Pedro da Silva Ribeiro, João Luiz Brandão, Jozé Rodrigues Vieira, João da Silveira Fernandes, Martinho Pacheco Lima, Francisco Xavier de Oliveira, Theodozio Alz., Antonio Jozé de Govea, Miguel de Oliveira Roza, Antonio Coelho Ribeiro.”
(Revista do APM. Ano II 1897, p.105 – Manoel Albino de Almeida – Secretário da Câmara Municipal de Queluz)

 

CREAÇÃO E FUNDAÇÃO DA CIDADE E MUNICÍPIO DE QUELUZ ESTADO DE MINAS GERAIS
(Emblema: uma prensa, um livro, papel e outros objetos)

Fonte: Queluz de Minas/Typ. E Pap Monteiro & Comp. Rua Castilho Lisbôa, Nº 25/1907/

Autor: Américo de Souza Lima.

 

“No principio do século XVIII passado, um certo número de aventureiros, que mineravam na serra de Ouro Branco, juntaram-se com os outros índios da aldêa Carijós e erigiram uma igreja à Nossa Senhora da Conceição, a qual foi creada parochia em 1709; edifficaram-se, depois, mais duas invocações de Santo Antonio, no alto do morro d´este mesmo nome, e de Nossa Senhora do Carmo.

Em 19 de setembro de 1790, o Governador Luiz Antonio Furtado de Mendonça, Visconde de Barbacena, atendendo à supplica que lhe fora dirigida pelos habitantes da povoação que então se denominava - Campo Alegre dos Carijós-, cujo solo pertenceu a Jeronymo Pimentel Salgado, a elevou a cathegoria de Villa, sob a denominação de “Real Villa de Queluz”, em homenagem ao “Palácio Real de Queluz” que pertenceu, na sua origem, à D.Chrystovão de Moura e mais tarde a D. Pedro II e D. Maria I, Reis de Portugal; fficando assim desmembrado do termo da de São José a que pertencia o referido Arraial.

Foi creada Freguezia por Ordem Regia de 1752 e elevada à Cidade em 2 de janeiro de 1866 pela Lei Provincial nº 1276. É sede da Comarca de seu nome d´esde 15 de julho de 1872, creada pela Lei Providencial nº 1867.

Tem, atualmente, um periódico, publicado aos domingos, sob o título de “Gazeta de Queluz” e direcção do Snr. Antonio Raymundo Alvares da Costa: casa de Camara, Forum, cadeia, cinco escolas públicas de instrucção primaria, duas agências do correio, um collegio regido pelas Irmãs da Congregação da Divina Providencia; hospital em construcção; estação telegraphica, seis pharmacias, seis médicos e seis advogados; três fabricas de cerveja, seis de violas, violões, bandolins etc. e uma de sabão: importantes casas commerciaes de fazendas, armarinho, ferragens, seccos e molhados; cinco padarias, sendo a “Padaria Central”, de propriedade do Snr. Francisco Ananias de Sant´Anna, a primeira que se fundou nesta cidade, em 1882, cinco alfaiatarias, seis officinas de sapateiros e três de funileiros; tres hotéis e diversas casas de pensão; quatro açougues onde são abatidas, diariamente, seis rezes; três Clubs: o “Castilho Lisboa”, “Bohemios”, e o de “Italia”, destinados, aquelles a diversões e este a benificência; duas Sociedades: A “Dramática dos Carijós” que contruio um theatro sob a denominação de “Santa Cecilia” e a “Protecção da Instrucção” cujo ffim é prover de vestuários e utensílios collegiaes aos alumnos pobres, e duas bandas de musica: “Santa Cecília” e “Centro Operario”.

A população do districto da cidade, segundo dados estatísticos, é de 9.000 almas. A cidade apresenta agradável aspecto, com excellente clima e acaba de ser abundantemente abastecida de superior água potável devido aos esforços do actual Presidente da Camara, Dr. José Caetano da Silva Campolina e a perícia do hábil engenheiro Dr. Joaquim de Almeida Lustosa, sob cuja direcção foram feitos os serviços de abastecimento que, no momento em que são escriptas estas linhas (2 horas do dia 24 de março de 1907), acabão de ser inaugurados.

As suas principais ruas são calçadas e iluminadas à gaz acetyleno, havendo contracto já firmado pela Camara e o Snr. Leonardo A. Gutierrez, para a installação da luz electrica.

Acha-se a 980 metros acima do nível do mar e está ligada a Capital Federal e a de Minas pela Estrada de Ferro Central de Brazil, cuja estação “Lafayette” deu nome ao aprazível e populoso bairro onde se acha edificada nas margens do rio “Bananeiras”; trazendo grande incremento para a cidade que se estendeo até ahi, fficando dividida em dois bairros, os quais pela sua extensão já podem ser divididos em dois districtos para terem mais fácil administração.

No districto da cidade há ricas jazidas de marganez que estão sendo exploradas pelas seguintes Companhias: “Morro da Mina”, “Gonçalves Ramos & Comp.”, “Societé Anonyme des Mines de Manganese de Ouro Preto” e “A Thum” que também faz parte da exploração de uma mina aurífera na povoação da “Passagem”.

Há tambem diversas ollarias, sobressahindo entre estas a “Olaria Esperança”, de propriedade dos Srs. Antonio Dias de Souza e José de Souza Salgado, por ser a única onde se fabricam - tijolos refractarios - empregados em altos fornos de fundição, eguaes aos fabricados na Europa.

Estão comprehendidas dentro das divisas do districto as povoações: Buarque de Macedo (estação da E.F.C.B), S. Gonçalo, Bocaina, Passagem, Rancho Novo, Tiririca, Amaro Ribeiro, Violeiros, Muinhos e Fazenda do Sande, Miguel Burnier (estação da E.F.C.B.) que, sob a administração da municipalidade de Ouro Preto, pertencem, por Lei, ao districto desta cidade.

Há muitos outros pequenos povoados.

A Igreja Matriz, onde se achavam homisiadas as forças Legalistas durante a revolução de 1842, foi alvo das balas inimigas por servir de forte aos mesmos. Estes, respondendo ao fogo que lhes era feito, fizeram desapparecer das ffileiras das revoltados a figura, sympathica do ffilho do General Galvão, Fortunato Nunes Galvão, o qual foi mortalmente ferido no momento, em que de um sobrado próximo a Matriz, fazia fogo para esta. Morreo ao lado de seu pae, sob cujas ordens servia com as forças pelo mesmo comandadas e que se achavam então entrincheiradas no referido sobrado.

O Município compõe-se de onze districtos, inclusive o da cidade, e é representado por uma Camara Municipal composta, actualmente dos seguintes cidadãos: Dr. José Caetano da Silva Campolina, Presidente; Capm. José Ferreira de Egypto, vice-presidente; Capm. Luiz Gonzaga de Assis, secretario; Cel. João Antonio Nogueira Coelho, Major Luiz Gonzaga de Mello, Capm. Balduino Augusto de Miranda, Capm. José da Costa Carvalho, João Baptista Henriques, Antonio Moreira da Costa e Altonio Alves dos Reis. Faltam dous vereadores que não tomaram posse. Cada districto é representado por um vereador.”

DOM PEDRO II EM QUELUZ  "PANORAMA DO PASSADO”

(Escrito por Antônio Luiz Perdigão)

MUSEU – “Lugar destinado não só ao estudo, mas de reunião e exposição de obras de arte, de peças e coleções científficas ou de objetos antigos, etc. ”
(Pequeno Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa, de Aurélio Buarque de Hollanda Ferreira).
Em nossa Conselheiro Lafaiete, Antônio Luiz Perdigão, tem curso que conquistou no Rio que lhe faculta administrar o museu que tem o seu nome

 É o que tem feito há muitos anos, com rara competência, tendo editado um livro com o título acima

 Eis o que escreveu sobre Dom Pedro II:

Memórias Lafaietenses – O imperador D. Pedro II visita Queluz

 

Em nossa coluna de hoje, estamos trazendo aos leitores uma reminisciência histórica, ocorrida na antiga cidade de Queluz, no ano de 1881. Trata-se da viagem que fez S.M. D. Pedro II, Imperador do Brasil , à Capitania de Minas Gerais, partindo da Côrte do Rio de Janeiro, até à capital da Província , Vila Rica de Ouro Preto

 Transcrevemos trechos de algumas obras e documentos, relativos à estadia do Imperador em nossa cidade, o que nos dá oportunidade de conhecermos o que era o torrão em que vivemos hoje, 1992, naquela época, 1881.”

 

A VISITA (DIÁRIO DA VIAGEM DO IMPERADOR A MINAS) 

 

"Do alto das Bandeirinhas já se avistavam casas de Queluz

Parou-se em alguns lugares por causa da liteira

O tempo das pequenas paradas e o do almoço andariam por menos de duas horas

O coronel Pereira apontou-me suas terras do Ribeirão do Inferno e Queluz

Possui outras fazendas que dão-lhe 50 crias de mulas e 100 de poldros no ano

Antes de Queluz atravessa-se o Ribeirão das Bananeiras , onde não vi nenhuma

Ouvi falar também do alto do Paraopeba de onde se goza de vista extensa e bela e da ponte deste rio que ainda não é navegável para canoas nessa altura

 A várzea por onde serpeia o Bananeiras é bonita assim como a entrada em Queluz por onde um novo caminho que se fez seguindo o alto do morro

 No fundo da cidade e ffim de uma subida está a igrejinha de Santo Antônio, e no fundo alteia-se a serra do Ouro Branco coroada de nuvens douradas pelo sol que se punha do lado oposto

 O aspecto da cidade é mais pitoresco que o de Barbacena

 Descansei um pouco, conversando com a família de Washington, ffilho do Coronel Pereira, e saí para ver aulas que são duas, agradando-me a de meninos, cadeia, bom edifício por acabar internamente; porém onde falta quasi tudo, não tendo os soldados da polícia nem baionetas nem sabres baionetas.”

 

 Presidentes da

Câmara de Queluz

 

Em construção - Aguarde

 

 

Prefeitos de Conselheiro Lafaiete

                                                    

1 - José Correa de Figueiredo (1930 até 1930) Prefeito nomeado

2 - José Bawden Teixeira (1931 até 1934) Prefeito nomeado

3 - Mário Rodrigues Pereira (1935 até 1945) Prefeito nomeado

4 - Sebastião Virgílio Ferreira (1946 até 1947) Prefeito nomeado

5 -  Antônio Bandeira Furtado Mendonça (1947 até 1948) Prefeito nomeado

6 -  José Narciso Teixeira Queirós (1949 até 1951) Prefeito eleito

7 - Telésforo Cândido de Rezende (1951 até 1955) Prefeito eleito

8 -  José Narciso Queirós Neto (1955 até 1959) Prefeito eleito

9 - Telésforo Cândido de Rezende (1959 até 1963) Prefeito eleito

10 -  Orlando Baeta (1963 até 1967) Prefeito eleito

11 - Abel Rezende Dutra (1967 até 1970) Prefeito eleito

12 - Hélio Pereira de Rezende (1971 até 1973) Prefeito eleito

13 -  Camilo Prates dos Santos Junior (1973 até 1977) Prefeito eleito

14 -  Pedro Silva (1977 até 1983) Prefeito eleito

15 -  Vicente de Faria Paiva (1983 até 1988) Prefeito eleito

16 - Arnaldo Francisco Penna  (1989 até 1992) Prefeito eleito

17 - Carlos Alberto Gomes Beato (1993 até 1996) Prefeito eleito

18 -  Vicente de Faria Paiva (1997 até 2000) Prefeito eleito

            (2001 até 2004) Prefeito reeleito

19 -  Julio Cesar de Almeida Barros (2005  até 2008) Prefeito eleito

20 - José Milton de Carvalho Rocha (2009 até 2012) Prefeito eleito

21 - Ivar de Almeida Cerqueira Neto (2013/2016) Prefeito eleito

23 - Mario Marcus Leão Dutra (2017 ) Atual Prefeito eleito

 

Fonte: Wikipédia e site da Prefeitura Municipal de Conselheiro Lafaiete